quarta-feira, 13 de abril de 2016

CRÔNICA:

TODOS SÃO IGUAIS, MAS UNS SÃO MAIS IGUAIS QUE OS OUTROS

Autor: LÉO LUZ
Público em: 18 de Maio de 2011 às 19:28
Disponível em: http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/2693/

Na era das cotas e do politicamente correto, quanta gente se sente perseguida!
Sujeito chega ao caixa de uma loja de roupas, entrega as compras ao caixa e recebe a conta. Puxa um talão de cheque e começa a preencher. Nisso, o caixa se antecipa e fala com ele:
- Senhor, não aceitamos cheques.
- Como assim não aceitam cheques?
- Exato, senhor, só aceitamos cheques de pessoas (o cliente interrompe o caixa quase gritando)
- Heterossexuais? Só aceitam cheques de héteros?
- Não entendi, senhor.
- Você não vai aceitar meu cheque porque eu sou gay?
- Por que o senhor é gay?
- Não te interessa porque eu sou gay! Estamos falando do cheque.
- Senhor, eu quis dizer “não aceitamos porque o senhor é gay?”
- E ainda confessa, seu homofóbico!
- Mas eu não confessei nada, era uma pergunta retórica! Eu estava lhe perguntando se era isso que o senhor achava!
- Claro que é, você falou que só aceitavam cheques de heterossexuais.
- Na verdade eu ia falar “clientes cadastrados”...
- E por que eu não posso ser um cliente cadastrado? Porque sou gay?
- Senhor, o senhor pode se cadastrar, mas o senhor terá que ir para o lado da fila e preencher o formulário.
- Formulário? Só porque eu sou gay eu tenho que preencher um formulário enorme pra garantir que eu não vou fugir sem pagar?
- Não, senhor, todas as pessoas preenchem este mesmo cadastro para podermos aceitar pagamentos em cheque.
- Acho bom mesmo! Eu tenho os mesmos direitos de todo mundo!
O cliente contrariado começa a preencher o formulário. Em um determinado ponto ele para, suspira alto, revoltado, e quase esfrega o papel na cara do caixa.
- O que é isso aqui?
- O que, senhor?
- Além de preconceituoso é analfabeto? Isso aqui!
- Bom, essa é a parte que pergunta se o senhor é casado, solteiro, divorciado ou viúvo, e se vai querer botar o esposo/esposa como dependente do cartão.
- Quer dizer que pra eu pagar em cheque eu tenho que te dizer quem é o homem da relação, eu ou meu parceiro?
- Não, senhor, este formulário foi feio há bastante tempo, e ainda não contemplava a união civil de pessoas do mesmo sexo.
- Amiguinho, se este formulário tivesse sido feito em 200 antes de Cristo, JÁ HAVERIAM naquela época, milhões de pessoas do mesmo sexo se relacionando.
-Entendo, senhor. Mas é só marcar qualquer coisa, não tem problema.
- Não tem problema? Então eu tenho que decidir se sou o marido ou a esposa para poder pagar em cheque?
- Se o senhor é o marido ou a esposa?
- Não te interessa se sou marido ou esposa, fofoqueiro!
- Senhor, novamente eu não lhe fiz uma pergunta. Eu estava perguntando se foi isso que o senhor disse.
- Claro que foi, ta surdo?
- Senhor, deixe esta parte em branco e só preencha o nome do seu parceiro como dependente.
- Você ta insinuando que eu sou a mulher? Por que você falou “seu parceiro”, e não “sua parceira”.
- Não sei, senhor, força do hábito.
- Sei, força do hábito... Só vou preencher essa droga pra provar que eu tenho os mesmos direitos que todo mundo!
O cliente volta a preencher o formulário, termina e entrega ao vendedor.
- Tá aqui seu formulário hétero preenchido. Agora posso pagar em cheque?
- Bom, senhor, na verdade o cadastro demora 72 horas para ser efetuado, mas no seu caso vou abrir uma exceção.
- Exceção? Exceção por que? Porque eu sou gay???
- Não, senhor, não é porque o senhor é gay.
- Então se eu não fosse gay eu não teria a exceção?
- Teria, senhor, teria.
- Ok, então, toma aqui o cheque. E não fica olhando o formulário pra ver se eu sou o marido ou a esposa!
- Não vou olhar, senhor.
- Por que? Você é bom demais para ler o formulário de um gay?
- Não, senhor. Eu vou ler então.
- Vai ler pra que? Pra poder zombar de mim da próxima vez que eu vier?
- Não, senhor, então eu só vou repassar para o computador sem ler.
- Sei. Conheço seu tipo. Se acha muito superior. Deve estar aí pensando “maldita hora que criaram essa lei que equipara essas bichonas a nós, pessoas normais”.
- Jamais pensaria isso, senhor. Tenha uma boa tarde.
- Boa tarde pra você também!
O cliente sai contrariado e revoltado. Quando ele está saindo da loja um segurança grita “ô, criolo, volta aqui e deixa eu ver essa bolsa!”. Um homem negro, bem vestido que estava quase saindo da loja inicia um bate-boca com o segurança, falando “O que? Criolo? Só porque eu sou preto você não tem o direito de falar assim comigo! Você só me parou porque eu sou preto, eu paguei minhas compras, o alarme não apitou! Vou chamar a polícia!”. Nisso algumas pessoas se juntam para assistir ao bate-boca. Uma senhora para do lado do cliente gay que havia acabado de armar a confusão por causa do cheque. Levantando os óculos escuros, ele fala para ela:

- Gente paranóica, tudo acha que ta sendo perseguida. Maldita cota, agora eles acham que tem mais direitos do que nós. Vê se pode...
Vídeo 1: O que é Direitos Humanos


Vídeo 2: A história dos Direitos Humanos no Mundo

Segue abaixo SÉRIE Direitos Humanos com os 3 principais direitos que ensejam todos os outros: Dignidade da pessoa humana, liberdade e igualdade.

IGUALDADE - UM DIREITO HUMANO CONSTITUCIONAL *
                                  (José Nildo Alves Cardoso)

A formação do Estado Democrático de Direito ocorreu paulatinamente com o desenvolvimento das nações e dos povos. Os direitos não foram instituídos repentinamente, pois as relações humanas são demasiadamente complexas para estimularem a criação repentina de um amontoado de palavras formadoras de uma regra.
Refletir sobre o ser humano deve preceder à reflexão acerca do Direito. O ser humano é um animal dotado de racionalidade e com capacidade de viver suas emoções e saciar suas necessidades por intermédio da sociedade. O ser humano tem como característica fundamental a dignidade, ou seja, o grau de atendimento de suas necessidades. Nas palavras da professora Flávia Piovesan (2007):
Para que uma pessoa, desde sua infância, possa viver, crescer e desenvolver suas potencialidades decentemente, ela precisa de adequada saúde, alimentação, educação, moradia, afeto; precisa também de liberdade para fazer suas opções profissionais, religiosas, políticas, afetivas, etc. Esse conjunto de necessidades e capacidades nada mais é do que o conteúdo dos direitos humanos, reconhecidos, por essa razão, como princípios e direitos fundamentais na Constituição Brasileira. (PIOVESAN, 2007, p. 39)
A dignidade da pessoa humana é a regra-matriz que deve nortear a interpretação e aplicação das normas, especialmente da Constituição Federal, bem como a atuação de todos os poderes públicos, por intermédio de seus agentes e órgãos. É decorrente da dignidade da pessoa humana que o direito surge e evolui no meio social.
A concepção do direito é inerente à pessoa humana. Sem o ser humano, não há que se falar em sociedade, história, entre outras ciências. Neste passo, o ser humano é considerado um ser eminentemente social, incluído na polis, lugar onde busca a realização plena de seus desejos e necessidades.
Na evolução histórica das relações humanas foi desenvolvido um conjunto de instituições e institutos visando consolidar o respeito à dignidade humana, sendo estabelecidos direitos fundamentais, que por sua vez sofreram ampliações e transformações.
No decorrer do tempo, e conforme a concepção jus filosófica, diversas expressões foram usadas para designar direitos fundamentais, tais como: direitos naturais, direitos humanos, direitos individuais, direitos públicos subjetivos, liberdades fundamentais, liberdades públicas e direitos fundamentais do ser humano. Estas expressões foram traçadas por diversas concepções, a seguir expostas.
Os Direitos Humanos podem ser entendidos como direitos naturais, que se inscrevem na natureza humana, portanto, possui uma concepção naturalista, não exigindo sua consensualização, mas tão somente seu reconhecimento e proteção (CARBONARI, 2008, p. 35).
Tais direitos também podem ser compreendidos pela filosofia cristã que entende o ser humano como criatura divina e por isto o ser divino apresenta certas regras que não podem ser modificadas pelos seres humanos. Na elucidação de Carbonari (2008, p. 35): “É Deus que, por sua graça, concede ao ser humano as regras de sua vida. O direito divino está acima de todo o direito que possa vir a ser construído pelos seres humanos”.
E ainda, na concepção naturalista da filosofia moderna, na qual o ser humano, antes de ser social, é um indivíduo com garantias fundamentais inerentes que se associa não por compulsão natural, mas por necessidade. Por isto, o direito estabelecido no contexto social tem como limite o direito individual. Enquanto que na concepção liberal, os Direitos Humanos são entendidos como garantia das liberdades fundamentais, no qual o indivíduo é agente da liberdade, em uma sociedade sob determinadas regras de convivência onde existe igualdade formal de todos perante a lei, a maioria prevalece e há uma notória divisão entre o público e o privado (CARBONARI, 2008, p. 36).
Há ainda a concepção positivista dos Direitos Humanos, na qual somente se considera direitos àqueles previstos expressamente no ordenamento jurídico, com conhecimento prévio de todos e força vinculativa. Jamais seriam exigíveis se não fossem incorporados na legislação com a rubrica de direitos fundamentais.
Por fim, na concepção histórica e crítica, os Direitos Humanos são entendidos como construção histórica marcada pelas contradições da realidade social. O direito deixa de ser uma ciência pura e passa a integrar-se à realidade multifacetada dos cidadãos. E tem como objetivo a busca da realização das condições para que a dignidade seja efetiva, sendo reconhecida com valor universal. Neste caso, “a dignidade é a construção de reconhecimento e, portanto, luta permanente contra a exploração, o domínio, a vitimização, a exclusão“ (PIOVESAN, 2007, p. 36-37), onde cada ser humano é visto como sujeito moral, jurídico, político e social.
Existe um considerável e inacabável número de direitos expressos no ordenamento jurídico, cujo fundamento é garantir as condições mínimas para a existência digna do ser humano na sociedade, sem qualquer distinção.
Sucintamente, na modernidade os Direitos Humanos são entendidos como aqueles direitos fundamentais que o ser humano possui para viver com dignidade, pelo simples fato de possuir natureza humana. Não são direitos concedidos pelo poder, mas direitos que a sociedade política deve garantir a sociedade civil.
No presente trabalho, adote-se o termo Direitos Humanos, vez que é uma expressão cunhada pela Organização das Nações Unidas - ONU, e com certa universalidade no mundo contemporâneo, sem alteração da carga valorativa no seu núcleo central.
Na experiência brasileira, em decorrência do princípio da dignidade da pessoa humana, a Constituição Federal de 1988 (CF 88) apresenta no seu Título II, “Dos Direitos e Garantias Fundamentais”, uma relação de direitos e garantias individuais e coletivos, de direitos sociais, de direitos de nacionalidade e de direitos políticos. As garantias significam o direito do cidadão de exigir dos poderes públicos a proteção de seus direitos e o reconhecimento de processos para tanto (CANOTINHO, 2000, p. 396).
A lista dos direitos fundamentais constitucionais brasileiros inicia-se pelo direito à vida, que se confunde com a dignidade da pessoa humana, mas que juntos formam o núcleo essencial de todos os demais direitos.
Em nossa Constituição Federal utiliza-se o termo direitos fundamentais com maior predominância, mas também a utilização do termo Direitos Humanos na qualidade de princípio (art. 4º).
Para a compreensão de direitos individuais, eles são apresentados pelo Professor José Afonso da Silva (1996) como “direitos fundamentais do ser humano-indivíduo, que são aqueles que reconhecem autonomia aos particulares, garantindo a iniciativa e independência aos indivíduos diante dos demais membros da sociedade política e do próprio Estado” (SILVA, 1996, p.188). A efetivação deste direito requer do Estado condutas omissivas, ou seja, basta a não intervenção na esfera privada conforme descrito no artigo 5º da Constituição Federal. De certo, os deveres prescritos neste artigo destinam-se mais ao Poder Público e seus agentes do que aos indivíduos particulares.
É assim que o direito à igualdade também figura entre os direitos fundamentais, ao Estado um dever. Aprofundando sobre o tema, discorreu a professora Flávia Piovesan (2007):
A igualdade constitui o signo fundamental de uma democracia republicana, uma vez que ela não admite os privilégios e distinções que um regime simplesmente liberal consagra. Em uma democracia (governo do povo), a coisa pública (res public), o estado, devem estar a serviço do bem comum, que são os direitos humanos, cujo fundamento é justamente a igualdade de todos os seres humanos em sua comum condição de pessoa. (...) Nenhum governo em uma democracia republicana será legítimo se não mostrar igual respeito e cuidado quanto ao destino de todos os cidadãos (PIOVESAN, 2007, p. 44).

Ainda no mesmo raciocínio, a Constituição da República dispõe no artigo 3º e seus quatro incisos, como objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil; a) a construção de uma sociedade livre, justa e solidária; b) a garantia do desenvolvimento nacional; c) a erradicação da pobreza e da marginalização e a redução das desigualdades sociais e regionais; d) a promoção do bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.
Como princípios programáticos da atividade econômica nacional, o artigo 170, incisos VII e VIII da Constituição, repetem que a justiça social só está assegurada se respeitados, dentre outros; a) a redução das desigualdades regionais e sociais; b) a busca do pleno emprego.
No art. 5º, em 77 incisos, elenca os direitos e deveres individuais e coletivos afirmando que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.
Portanto o legislador constituinte de 1988 não se limitou a estabelecer a isonomia, a começar pelo princípio da igualdade formal contido no caput do art. 5º que dispõe: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes (...)”, porém desde o seu preâmbulo dá sentido á igualdade material quando acentua a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, como diz Alexandre de Morais (1999; p.45-46).

Assim o preâmbulo da Constituição Federal consiste numa proclamação de princípios, que consagra os direitos sociais e individuais, a liberdade, a igualdade, a diversidade e a justiça como valores supremos.

* TEXTO retirado da monografia de Trabalho de Conclusão de Curso - Direito Constitucional e Administrativo  - EPD - "IGUALDADE NA DIVERSIDADE: A DISCRIMINAÇÃO POSITIVA NA PROTEÇÃO DAS MINÓRIAS" do professor e advogado José Nildo.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
ALEXY, Robert. Teoria dos direitos fundamentais. Tradução de Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2008;
______. Direitos Fundamentais no Estado Constitucional Democrático: para a relação entre direitos do homem direitos fundamentais, democracia e jurisdição constitucional. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, n. 217, p. 55-56, jul./set., 1999;

ALCANTARA, André Feitosa, Os conselhos de direitos na efetivação dos direitos fundamentais constitucionais, Monografia em lato sensu em Direito Público, apresentada em Escola Superior de Advocacia – OAB/SP, 2012;
ALMEIDA, Luciana Dayoub Ranieri de, Ações Afirmativas e a concretização do Princípio da Igualdade no Direito Brasileiro. Ed. Fórum, 1ª Ed., Belo Horizonte, 2011;
APPIO, Eduardo. Direito das Minorias. São Paulo, Ed. Revista dos Tribunais, 2008;
ARAUJO, José Carlos Evangelista de, Ações Afirmativas e o Estado Democrático Social de Direito, Ed. LTr, 1ª Ed.,São Paulo, 2009;
ATCHABAHIAN, Serge, Princípio da Igualdade e Ações Afirmativas, Ed. RCS, 2ª Ed, 2006;APPIO, Eduardo. Direito das Minorias. Ed. Revista dos Tribunais, 1ª ed., 2008;
BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Princípio da Isonomia: Desequiparações Proibidas e Desequiparações Permitidas. Revista Trimestral de Direito Público, São Paulo, n. 1, passim, 1993;
_______. Curso de direito administrativo. 20. Ed. São Paulo: Malheiros, 2005;
BAPTISTA, Fernando Pavan. O direito das minorias na democracia participativa.  Prisma Jurídico ano/vol. 002; Centro Universitário Nove de Julho, São Paulo, 2003, p. 195-205; Disponível em http://redalyc.uaemex.mx/pdf/934/93420013.pdf, Acessado em 21/01/2013;
BARBOSA, Rui. Oração aos moços. Martin Claret: São Paulo, 2003.
BARROSO, Luís Roberto. Ação Afirmativa e legitimidade da reserva de vagas em universidades públicas. Arquivos de Direitos Humanos, Rio de Janeiro, n. 3, p. 529-536, 2001;
_______. Interpretação e aplicação da Constituição. São Paulo: Saraiva, 2009;
BARROCO, Maria Lúcia S. Ética, Direitos Humanos e Diversidade. In Cadernos Especiais nº 37, edição: 28 de agosto a 25 de setembro de 2006. Disponível em www.assistentesocial.com.br
BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. 13. Ed. , São Paulo: Saraiva, 1990.
________. Existe Efetivamente Uma Constituição Econômica? Revista de Direito Constitucional e Internacional, Brasília, n. 3, p. 51-57, 1998;
BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro. Ed. Campus, 1992;
_________. Teoria do ordenamento jurídico. 10. Ed. Tradução de Maria Celeste Cordeiro Leite dos Santos. Brasília: UnB, 1999;
BONAVIDES, Paulo . Curso de Direito Constitucional. 25ª ed., atualiz. São Paulo: Malheiros, 2010;
_________. Curso de direito constitucional. 15. Ed. São Paulo: Malheiros, 2004;
BRASIL, Constituição Federal (1988). República Federal do Brasil. Brasília, 5 out. 1988;
_______. Tribunal Regional Federal (3ª Região). Apelação Civel. Processo nº 97030570194/98. Juíza rel. Ramza Tartuce, Diário da Justiça, Brasília, 18 ago. 1988;
_______. Decreto Federal nº 65.810, Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial, Brasília, 08/12/1969;
_______. Resolução Federal nº 34/180, Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher, Brasília, 1º/02/1984;
_______. Resolução Federal nº 36/55. Declaração sobre a eliminação de todas as formas de intolerância e discriminação fundadas na religião ou nas convicções, Brasília, 1981;
_______. Lei Federal nº 7.853.  Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, Brasília, 24/08/1989;
_______. Lei Federal nº 7.716. Define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de co, Brasília, 05/01/1989;
_______.  Lei Federal nº 9.029, Proíbe a exigência de atestados de gravidez e esterilização, e outras práticas discriminatórias, para efeitos admissionais ou de permanência da relação jurídica de trabalho, Brasília, 13/05/1995;
_______.  Decreto-Lei Federal nº 5.452. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho, Brasília, 01/05/1943;
_______.  Lei Federal nº 8.112. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Brasília, 11/12/1990;

_______.  Lei Federal nº 8.213. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Brasília, 24/07/1991;
_______.  Lei Federal nº 8.666. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Brasília. 21/06/1993;
_______.  Lei Federal nº 9.504. Estabelece normas para as eleições, Brasília, 30/09/1997;
_______.  Lei Federal nº 11.340 (Lei Maria da Penha). Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Pena, Brasília, 07/08/2006;
_______.  Lei Federal nº 9.394. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 20/12/1996;
_______.  Lei Federal nº 10.172. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências, Brasília, 09/01/2001;
_______.  Lei Federal nº 10.558. Cria o Programa Diversidade na Universidade, e dá outras providências, Brasília, 13/11/2002;
_______.  Lei Federal nº 10.678. Cria a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, da Presidência da República, e dá outras providências, Brasília, 23/05/2003;
 _______. Decreto-Lei Federal nº 65.810. Promulga a Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial, Brasília, 08/12/1969;
 _______. Do Positivismo Jurídico à Democracia em Kelsen. Revista Jurídica Virtual, acessado em 25/01/2013, Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_05/demo_kelsen.htm; Acessado em 06/01/2013;
_______. Supremo Tribunal Federal, Ministro Cunha Peixoto, decisão RDA 128/220, Brasília;
_______. Supremo Tribunal Federal. RE 477.554 AgR/MG, União estável entre homossexuais, p. 26/08/2011;
_______. Supremo Tribunal Federal. ADPF 186 – Cotas nas Universidades, jul. Pleno 26/04/2012;
CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direto Constitucional e teoria da constituição. 7ª ed., 8ª reimp. Coimbra: Edições Almedina, 2000;
CARBONARI, Paulo César. Direitos Humanos: sugestões pedagógicas. Passo Fundo, IFIBE, 2008COMPARATO, Fábio Konder, “A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos”, Ed. Saraiva, 7ª Ed., 2010;
_________. Regista de Direitos Humanos 05, São Paulo, 2008;
COMPARATO, Fábio Konder. Fundamento dos Direitos Humanos. Artigo disponível em http://www.iea.usp.br/iea/textos/comparatofundamento.pdf, Acessado em 22/12/2012;
CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. O Direito à Diferença: as ações afirmativas como mecanismo de inclusão social de mulheres, negros, homossexuais e pessoas portadoras de deficiência. Belo Horizonte: Del Rey, 2003;
DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de teoria geral do Estado. 6º ed. São Paulo: Saraiva, 1976;
DANGELO, Elcio, “Direitos Fundamentais das Minorias”, Ed. Anhanguera Jurídica, 1ª Ed., 2010;
GALINO, Bruno. Cidadania Plural e Diversidade. Cidadania complexa e direito à diferença. Ed. Verbatim, 2012, p. 19-31;
GOMES, Joaquim Barbosa. Ação afirmativa & princípio constitucional da igualdade. 1. Ed. Rio de Janeiro e São Paulo: Renovar, 2001;
GONÇALVES, Rogério Magnus Varela, Cidadania Plural e Diversidade. Ed. Verbatim, 2012;
GUGEL, Maria Aparecida Gugel. Discriminação Positiva. Revista do Ministério Público do Trabalho, Disponível em: http://phylos.net/direito/discriminacao-positiva/. Acessado em 28/01/2013;
JUBILUT, Liliana Lyra. Tudo o Que Você Precisa Ouvir Sobre - Direito Das Minorias. Audiolivro – Ed. Saraiva; 2012;
LIMA, Alana da Fonseca. O papel das ações afirmativas: A Lei Maria da Penha uma experiência brasileira. Disponível em http://intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/ETIC/article/view/1954/2083, Acessado em 17/01/2013;
LUIZ, Léo. Crônica: Todos são iguais, mas uns são mais iguais que os outros, 18/05/2011, Disponível em: http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/2693/, Acessado em 17/12/2012;
MELLO, Marco Aurélio Mendes de Faria, Óptica Constitucional – A igualdade e as Ações Afirmativas, Ed. Revista do Instituto de Pesquisa e Estudos, nº 34, Divisão Jurídica. Instituto Toledo de Ensino de Bauru – nº 34 (1996) p.15;
MORAES, Alexandre. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 1999;
________. Direito Constitucional Administrativo. São Paulo: Atlas, 2002;
________. Direito Constitucional. 23ª Ed. São Paulo: Atlas, 2008;
NEVES, Marcelo, “Estado democrático de direito e discriminação positiva: um desafio para o Brasil”, Brasília, julho de 1996;
ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Assembleia Geral das Nações Unidas, 10 dez. 1948;
OIT - Organização Internacional do Trabalho, Convenção n.º 111. Discriminação em matéria de Emprego e Profissão. Genebra. 25/06/1958;
PIOVESAN, Flavia et al. Direitos Humanos na Constituição Brasileira de 1998 In: Maria de Lourdes Alves Rodrigues e Verônica Maria Silva Gomes. Colaboradores Célia Maria Escanfella... [et al.]. Formação de Conselheiros em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial de Direitos Humanos, 2007;
REIS, Sergio Cabral dos. Cidadania Plural e Diversidade. Justiça Social e Direito à Igualdade no Estado Democrático de Direito. Ed. Verbatim, 2012, p. 56-69;
RIOS, Roger Raupp. Direito da Antidiscriminação: discriminação direta, indireta e ações afirmativas. Ed. Do Advogado, 1ª ed., Porto Alegre, 2008;
ROCHA, Carmen Lúcia Antunes. Ação afirmativa. O conteúdo democrático do princípio da igualdade jurídica. Revista de Informação Legislativa. Brasília: Senado, a.33. n.131, p.283-295, jul/set, 1996.
RODRIGUES, Maria Lourdes Alves et al. Fundamentos e História dos Direitos Humanos In: Maria de Lourdes Alves Rodrigues e Verônica Maria Silva Gomes. Colaboradores Célia Maria Escanfella... [et al.]. Formação de Conselheiros em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial de Direitos Humanos, 2007;
SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 1996;
______. 25ª ed. São Paulo: Malheiros, 2005;
______. Comentário Contextual à Constituição. 7ª Ed. São Paulo: Malheiros, 2010;
______, O conteúdo jurídico do princípio da igualdade. 3ª Ed, 20ª tiragem, São Paulo: Malheiros, 2011;
SILVA, Sidney Pessoa Madruga da, Discriminação Positiva: Ações Afirmativas na realidade brasileira, Ed. Brasília Jurídica, 1ª Ed., Brasília, 2005;
SCHALLER, Jean-Jacques Schaller, Construir um viver junto na democracia renovada, Acessado em 31/01/2013, Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022002000200011&lang=pt. Acessado em 20/01/2013;
TREVIZAN, Ana Flávia e AMARAL, Sérgio Tibiriçá, Diferenciação ente minorias e grupos vulneráveis, Disponível em: http://intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/ETIC/article/viewFile/2319/1814. Acessado em 09/01/2013;
TRINDADE, Fernando, A Constituição da Discriminação Positiva, Parecer Consultor Legislativo da CCJ, 29/06/1998, Disponível em:
PIOVESAN, Flavia. Direitos humanos e propriedade intelectual. Ed. Cultura Livre, São Paulo, 2007;